sexta-feira, 30 de julho de 2010


O ator e encenador António Feio morreu esta quinta feira, às 23h40, no Hospital da Luz, em Lisboa, onde se encontrava internado desde a passada terça feira, na Unidade de Cuidados Paliativos, segundo informou hoje a produtora UAU através de um comunicado.
António Feio sofria de cancro do pâncreas, doença contra a qual lutava desde Março de 2009. Corajoso e determinado, combateu a doença com todas as armas que teve ao seu alcance e foi já doente que encenou Vai-se Andando e uma versão de Auto da Índia, de Gil Vicente.

O público lembrar-se-á sobretudo da personagem Toni que compôs em Conversa da Treta, ao lado de José Pedro Gomes, com quem formou uma dupla de sucesso na comédia.

Para além do teatro, onde passou por diversas companhias, António Feio trabalhou ainda na televisão, não só como ator (foi marcante o papel de toxicodependente que desempenhou na novela portuguesa Origens) mas também fazendo traduções e dobragens. A publicidade, os folhetins na rádio e o cinema integram igualmente o seu currículo.

No último mês de Março, António Feio foi condecorado pelo Presidente da República, Cavaco Silva, tornando-se comendador da Ordem do Infante. Nasceu em Lourenço Marques a 6 de Dezembro de 1954.

António Feio tinha quatro filhos: Bárbara e Catarina, frutos do seu casamento com Lurdes Feio, e Sara e Filipe, da sua relação com a atriz Cláudia Cadima. Em Maio deste ano nasceu Dinis, o seu primeiro neto, filho de Bárbara, a sua filha mais velha. Foi o próprio ator quem avançou a notícia através da sua página do Facebook: "Desde as 1h48m sou avô!!! É lindo o Dinis ou não fosse Feio!!! 2.975K!!! A mãe e o pai estão radiantes!!!".

*Este texto foi escrito nos termos do novo acordo ortográfico.
"artigo retirado da revista caras"

11 comentários: